Como Beber como Kerouac, Hemingway, e outros Escritores Pé de Cana

Como Beber como Kerouac, Hemingway, e outros Escritores Pé de Cana

Many famous writers were known for their extreme drinking habits, and to this day, the stereotype of the drunken, genius author still carries weight in pop culture regardless of its credibility. The topic got us curious: What exactly did these writers drink to get the creative juices flowing? Fonte: How to Drink Like Kerouac, Hemingway, and Other Famous Writers |...

Pra cima com a viga, moçada! e Seymour – uma introdução. (1)

Pra cima com a viga, moçada! e Seymour – uma introdução. (1)

A confusão já começa aqui – é este o título que está na capa do livro que acabo de ler, uma edição da Brasiliense para a coleção Circo de Letras, de 1984. No entanto, no original, esse pequeno livro do mítico escritor J.D.Salinger é Raise High the Roof Beam, Carpenters and Seymour, na introduction. Em um blog que visitei, pesquisando sobre o...

O Gabinete do Dr. Caligari em quadrinhos

O Gabinete do Dr. Caligari em quadrinhos

A versão em quadrinhos do filme ‘O Gabinete do Dr. Caligari’, marco do expressionismo alemão, adaptada pelo quadrinista Victor Moura, busca apoio via financiamento coletivo para ser lançada. Saiba como participar. Fonte: O Gabinete do Dr. Caligari em quadrinhos – La Parola

Carta-resposta de Charles Bukowski após ter um de seus livros censurado

Carta-resposta de Charles Bukowski após ter um de seus livros censurado

“[…] nesta época, quando qualquer momento pode ser o último para muitos de nós, é irritante e absurdamente triste que ainda tenhamos entre nós as pessoas pequenas, amargas, os caçadores de bruxas e os que pregam contra a realidade” Uma leitura breve na obra do poeta e escritor alemão Charles Bukowski (1920 – 1994) já basta para sugerir que ele estava longe...

Naquele tempo, com a barriga na miséria…

Naquele tempo, com a barriga na miséria…

Naquele tempo, com a barriga na miséria, eu vagava pelas ruas de Cristiania, cidade singular, que deixa marca nas pessoas… Em minha água-furtada, estirado e sem dormir, escutei um relógio dar seis horas, lá embaixo. Era dia claro, pessoas começavam a circular pela escada. Junto à porta, o quarto estava atapetado com velhos números do Morgenhladet. Eu podia ler distintamente...