Roberto Piva

O Volume do Grito

0 Love this post.0

Eu sonhei que era um Serafim e as putas de São Paulo avançavam na densidade exasperante
estátuas com conjuntivite olham-me fraternalmente
defuntos acesos tagarelam mansamente ao pé de um cartão de visitas
bacharéis praticam sexo com liquidificadores como os pederastas cuja santidade confunde os zombeteiros
terraços ornados com samambaias e suicídios onde também as confissões mágicas podem causar paixões de tal gênero
relógios podres turbinas invisíveis burocracia de cinza cérebros blindados alambiques cegos viadutos demoníacos
capitais fora do Tempo e do Espaço e uma Sociedade Anônima
regendo a ilusão da perfeita bondade
Os gramofones dançam no cias
O Espírito Puro vomita um aplauso antiaéreo
O Homem Aritmético conta em voz alta os minutos que nos faltam contemplando a bomba atômica como se fosse seu espelho
encontro com Lorca num hospital da Lapa
a Virgem assassinada num bordel
estaleiros com coqueluches espetando banderillas no meu Tabu
eu bebia chá com pervitin para que todos apertassem minha mão elétrica
as nuvens coçavam os bigodes enquanto masturbavas sobre o cadáver ainda quente de tua filha menor
a lua tem violentas hemoptises no céu de nitrato
Deus suicidou-se com uma navalha espanhola
os braços caem
os olhos caem
os sexos caem
Jubileu da Morte
ó rosas ó arcanjos ó loucura apoderando-se do luto azul suspenso na minha voz

Relacionado

Ardor da Água

Papo com Júlio Bressane & Jairo Ferreira no Cachação Lésbicas discutindo semiótica saídas de um filme de Bressane saídas de um poema de Roberto Piva o arco-íris toma jeito estilo Farinata no Inferno Karma da pesada & fuorilegge caipirinha B52 noite de cobalto espectro radioativo […]

Love this post.0

última locomotiva, gregos de Homero

sonhando dentro do chapéu de palha. últimas vozes antes dos lábios & dos cabelos, sonoterapia voraz. você adora as folhas que caem no lago escuro este é o banquete do poeta sempre querendo penetrar no caroço da verdade. nariz do garoto negro apontando para praça […]

Love this post.0

Jorge de Lima, Panfletário do Caos

Foi dia 31 de dezembro de 1961 que te compreendi Jorge de Lima enquanto eu caminhava pelas praças agitadas pela melancolia presente na minha memória devorada pelo azul eu soube decifrar os teus jogos noturnos indisfarçavel entre as flores uníssonos em tua cabeça de prata […]

Love this post.0

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *