Mia Couto

Mia Couto – Ondas escrevendo estórias

0 Love this post.0

subcultura.net - bem vindo

home  |  letras  |  galerias  |  inéditos  |  quadrinhos  |  bazar

LITERATURA literatura BRASIL


Cacaso

Chacal

Claudio Willer

Ferréz

Hilda Hilst

João Antônio

Luís Fulano de Tal

Paulo Leminski

Paulo Lins

Roberto Piva

Waly Salomão

GERAÇÃO BEAT geração beat MUNDO


Andrezej Zaniewski

Charles Bukowski

Dashiell Hammett

Edgar Allan Poe

Ernest Hemingway

Jack London

John Fante

Knut Hamsun

Mia Couto

Pedro Juan Gutiérrez

Ungulani Ba Ka Kossa

MIA COUTO

Ondas escrevendo estórias

de Terra sonâmbula
Nova Fronteira,1995

A paisagem chegara ao mar. A estrada, agora, só se tapeteia de areia branca. À medida que a viagem prossegue, Tuahir vai piorando, como se se aproximasse dos derradeiros finais. Ele se esbate no banco do autocarro, tão inerte quanto Muidinga estava em sua doença.

– Se depois desta doença eu não souber andar nem falar você me ensina outra vez?

O miúdo não responde. Vai arrastando o banco de Tuahir pela areia até assentar no cimo da duna. Ali os arbustos sombreiam o leito do companheiro.
– Vê aquele barco velho, ali abandonado?
– Vejo, tio.
– Me faça como Surendra fez com mulher dele. Meta-me nesse barco.
– Não, tio. O senhor fica comigo. Eu vou lhe cuidar.
– Me deite no barco, filho. Quero morrer sem ver nenhuma terra, só água em todo lado.

Muidinga se aproxima do concho. No peito da pequena embarcação pequenas letras se desbotam. O nome do barco quase já não é legível.
– Como se chama o concho?
– Nem vai acreditar, tio.
– Por quê?
– Porque se chama Taímo. Lembra? É o mesmo nome da canoa de Kindzu.

Tuahir permanece impávido, sem ligar à coincidência. Deve pensar que é invenção do miúdo para o distrair. De novo, protesta para que seja levado para a canoa. Por fim, Muidinga o arrasta e o deposita na barriga do barquito.
– Agora, tio. Descanse a ver o mar, faz bem à disposição. Daqui a bocadito, regressamos ao machimbombo. Está certo, tio?
– Não me leve mais para o machimbombo. De noite, está cheio dos ratos. Vou ser comido, da maneira que nem posso me defender.

O velho tinha outro plano: ficariam esperando que a maré subisse. Quando a canoa estivesse dentro da água, seria fácil empurrá-la para o mar. O miúdo nem responde, seus olhos molhados se confrontam com os argumentos da morte.
– Espere, tio. Vou-lhe ler.
– Quanto falta para acabar esses cadernos?
– Falta pouco: este é o último.
– Então não me lê. Guarda para você, quando estiver sozinho.
– Não, tio. Eu posso ler agora.
– Então, espera. Não leia já. Mais tarde, quando estiver a água a subir.

As gaivotas rodopiam, com seus piares aflitos. O mar está sossegado, nem parece que ali está a acontecer uma despedida.
– Muidinga, me diga uma coisa. Tudo aquilo que você leu nesses cadernos, tudo aquilo está escrito?
– Não entendo.
– Estou perguntando se você não aumentou algumas verdades ali naqueles cadernos.
– Mas, tio, é capaz pensar uma coisa dessas?
– Deixe. Agora me comece a ler.

As ondas vão subindo a duna e rodeiam a canoa. A voz do miúdo quase não se escuta, abafada pelo requebrar das vagas. Tuahir está deitado, olhando a água a chegar. Agora, já o barquinho balouça. Aos poucos se vai tomando leve como mulher ao sabor de carícia e se solta do colo da terra, já livre, navegável. Começa então a viagem de Tuahir para um mar cheio de infinitas fantasias. Nas ondas estão escritas mil estórias, dessas de embalar as crianças do inteiro mundo.

 

TÓPICOS terra sonãmbula


Mia Couto – O mágico da língua

Terra sonâmbula – por Alberto da Costa Silva

Ondas escrevendo estórias – trecho

Cronicando – O cabrito que venceu o boeing


letras | galerias | inéditos | quadrinhos | bazar | anuncie | email direto


subcultura.net. 2000-2001. contato: email@subcultura.net

Relacionado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *