Knut Hamsun

O herói solitário de Fome

0 Love this post.0

subcultura.net - bem vindo

home  |  letras  |  galerias  |  inéditos  |  quadrinhos  |  bazar

LITERATURA literatura BRASIL


Cacaso

Chacal

Claudio Willer

Ferréz

Hilda Hilst

João Antônio

Luís Fulano de Tal

Paulo Leminski

Paulo Lins

Roberto Piva

Waly Salomão

GERAÇÃO BEAT geração beat MUNDO


Andrezej Zaniewski

Charles Bukowski

Dashiell Hammett

Edgar Allan Poe

Ernest Hemingway

Jack London

John Fante

Knut Hamsun

Mia Couto

Pedro Juan Gutiérrez

Ungulani Ba Ka Kossa

KNUT HAMSUN

O herói solitário de Fome

Por Rolf N. Nettum

O romance de Knut Hamsun, Sult (fome), publicado em 1890, abre um caminho novo à literatura escandinava. Entra em cena um tipo diverso de homem: o homem moderno, nervoso, intelectualizado, sensível, produto – e vitima – da expansão industrial e científica do séc. XIX. Nele, o equilibrio dos nervos surge comprometido por uma civilização materialista, barulhenta e sem alma.

Esse jovem poeta que vagueia por Oslo – então conhecida como Cristiânia – quase morto de fome, representa um novo clarão de alma. Através dele, exprimem-se o mundo secreto do subconsciente, sensações vagas e irracionais, reações aparentemente contraditórias, estados de espírito fugitivos e mutáveis. Presa de seus caprichos e instintos, nada tem de um ente razoável. Sob pressáo da fome, dir-se-ia que o muro divisório entre consciente e inconsciente dixa de existir. As reações nervosas, até então insignificantes e fortuitas, atingem proporções grotescas.

Fome é um romance egocêntrico, longo e exclusivo monólogo interior; mais exatamente, diálogo, pois se situa em dois planos opostos: há um ëu superior”, que toma a palavra, observa espantado o “eu inferior”, impoe-se a tudo que se passa no subconsciente, diverte-s, brinca com ele e castiga-o. Aluta pela subsist6encia é o motivo sujacente. Essa luta encarniçada, porém, não exprime de modo algum acusaão `a sociedade. A personificaão do eu em Fome não tem o menor interesse social. Aluta pela vida assume para ele outra significação. Sente-se que o personagem se bate contra forças mais fortes que a sociedade, contra um ser invisível que pretende alquebrá-lo e humilhá-lo: “Jeová, o grande Baal”, é como ele o chama na cena principal, ao ameaçar o Deus desconhecido. Luta por salvaguardar sua integridade espiritual. Da primeira à última página, sua luta pela existência é um combate de Jacó.

A peleja excita-lhe o orgulho e os recursos morais. Vale como provação uque o distingue dos outros. Ele, somente ele, sente fome em tamanho grau, e somente ele tem força para resistir. É, a seus próprios olhos, um homem excepcional. Poeta, a fecundidade inesgotável do seu cérebro constitui resposta à provocação. A imaginação transfigura a realidade, embeleza-a, torna-a maravilhosa,mascarando decepções e vergonha social. Sob a embriaguez da inspiração, ele experiemta estados de êxtase, eleva-se acima do mundo dos pardieiros sujos, dos policiais inflexíveis, da miséria permanente. Seu espírito febril faz de uma prostituta a princesa Ilaiáli.

Não tem o menor contato com os outros homen; permanece totalmente isolado. Isso, entretanto, não significa privação: ele se basta a si mesmo. Sem embargo, lateja a angústia sob esse culto egocêntrico, uma angústia mortal, que se manifesta mais nitidamente na cela onde ele passa uma noite de terror. O medo de desaparecer impele-o muitas vezes para o porto, para o mar. Fugirá à luta pela existência, afogando-se? Renunciará ao orgulho, declarando-se vencido? Finalmente deixa o país em um navio estrangeiro.

Não parece fácil concluir pela derrota, pois a força vital de sua alma é por assim dizer invencível. Isto se explica, entretanto, por sua instabilidade, seu poderoso instinto de conservação, seu vigoroso medo de morrer, estreitamente unidos. A queda das alturas do êxtase às profundezas do desvario resulta da tensão reinante em sual alma.

 

TÓPICOS fome


Knut Hamsun – Notas biográficas

Naquele tempo com a barriga na miséria – Fome

O herói solitário de Fome – por Rolf N. Nettum


letras | galerias | inéditos | quadrinhos | bazar | anuncie | email direto


subcultura.net. 2000-2001. contato: email@subcultura.net

Relacionado

Naquele tempo, com a barriga na miséria…

Naquele tempo, com a barriga na miséria, eu vagava pelas ruas de Cristiania, cidade singular, que deixa marca nas pessoas… Em minha água-furtada, estirado e sem dormir, escutei um relógio dar seis horas, lá embaixo. Era dia claro, pessoas começavam a circular pela escada. Junto […]

Love this post.0

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *