Dashiell Hammett

Apresentando Sam Spade

0 Love this post.0

Spade voltou ao seu escritório dez minutos depois das cinco, nessa tarde. Effie Perine estava sentada à escrivaninha dele, lendo o Time. Spade sentou-se sobre a mesa, e perguntou: -Alguma notícia palpitante?
– Nada. Você parece que viu passarinho verde.
Ele sorriu, contente.
– Acho que arranjamos um futuro. Sempre me pareceu que se Miles sumisse e morresse por aí, nós teríamos mais probabilidades de prosperar. Quer tomar a incumbência de lhe mandar flores em meu nome?
– Já mandei.
– Você é um anjo. Como está a sua intuição feminina, hoje?
– Por quê?
– Que pensa você da Wonderly?
– Eu gosto dela. -replicou a moça sem hesitação. -Ela arranjou nomes demais. Spade concentrou-se -Wonderly, Leblanc, e diz que o verdadeiro é O’Shaugh-nessy.
– Não me importa que ela tenha todos os nomes da lista telefônica. Essa moça é séria, e você sabe disso.
– Imagino. – Spade piscou sonolentamente para Effie Perine, e caçoou: -De qualquer forma ela escorregou setecentos mangos em dois dias, e isso é ótimo.
Effie Perine endireitou-se na cadeira, dizendo: -Sam, se essa moça está em dificuldades e você não a auxiliar, ou tirar vantagem disso para explorá-la, eu nunca o perdoarei, nem terei respeito nenhum por você, enquanto viver .
Spade teve um sorriso forçado. Depois franziu os sobrolhos. A carranca também era forçada. Abriu a boca para falar, mas o ruído de alguém entrando pela porta do corredor interrompeu-o. Effie Perine levantou-se e entrou na sala externa. Spade tirou o chapéu e sentou-se na sua cadeira. A moça voltou com um cartão onde estava impresso “Mr. Joel Cairo”. – É um sujeito estranho – disse ela.
– Então faça-o entrar, meu bem – disse Spade.
Joel Cairo era um homem moreno, de ossos miúdos e estatura mediana. Tinha o cabelo escuro e liso, e muito lus-troso. Seus traços eram orientais. Um rubi quadrado, ladeado por quatro barrinhas de brilhantes, brilhavam contra o verde escuro da sua gravata. O paletó preto, cortado de acordo com os ombros estreitos, alargava-se um pouco sobre os quadris meio desenvolvidos. As calças mais estreitas do que mandava a moda ajustavam-se às pernas roliças. A parte superior dos sapatos de couro envemizado estava oculta por polainas cá-qui. Segurava um chapéu preto, duro, na mão enluvada de camurça, e veio ao encontro de Spade com passinhos curtos, dos, balanceados. Uma aroma de “chypre” entrou com pade inclinou a cabeça para o visitante, e em seguida eção a uma cadeira, dizendo: – Sente-se, Sr. Cairo.
Cairo inclinou-se cerimoniosamente sobre o chapéu, dissse – Muito obrigado – em uma voz fina e aguda, e sentou-se. Sentou-se com afetação, cruzando as pernas, colocando o chapéu sobre os joelhos, e começou a tirar as luvas amarelas.
Spade recostou-se na cadeira e perguntou: – Em que ajudar, Sr. Cairo? – A amável negligência da sua voz, se movimento na cadeira, eram exatamente iguais aos que quando endereçara a mesma pergunta a Brigid O’hnessy, no dia anterior .
Cairo virou o chapéu para cima, deixando cair as luvas , e colocou-o assim virado no canto da escrivaninha que ficava próximo. Fulguravarn brilhantes no segundo e quart-o dedos de sua mão esquerda, e no terceiro da mão direita um rubi que fazia par com o da gravata, até mesmo nos brilhantes o circundavam. Tinha as mãos macias e bem cuidadas. Apesar de não serem grandes, sua flácida rotundidade faziam-as -parecerern mal conformadas. Esfregou as palmas uma na outra e disse encobrindo o leve ruído que produziram: -Permite que um estranho apresente condolências pela desgraçada -morte de seu sócio?
– Obrigado.
– Posso perguntar, Sr. Spade, se havia, como os jornais deduziram, uma certa… ah… relação entre esse infeliz acontecimento e a morte, um pouco mais tarde, desse Thursby?
Spade não respondeu, numa atitude definida, o rosto inexpressivo.
Cairo levantou-se e se inclinou. – Peço desculpas – Sentou-se de novo, e colocou as mãos lado a lado com as com as palmas para baixo, no canto da escrivaninha. – Mais do que simples curiosidade levou-rne a perguntar-lhe isto, Sr. Spade. Estou tentando recuperar um. ..ah! …ornamento que foi… como diremos?…extraviado. Julguei, e esperava, que o senhor pudesse me auxiliar .
Spade aquiesceu, com as sobrancelhas levantadas, para demonstrar atenção. – O ornamento é uma estatueta -continuou Cairo, escolhendo e mastigando cuidadosamente as palavras – a figura de um pássaro preto.
Spade aquiesceu de novo, com interesse cortês.
– Estou pronto a pagar, em nome do legítimo proprie-tário da figura, a soma de cinco mil dólares para recuperá-lo. – Cairo levantou uma das mãos de sobre a escrivaninha e tocou ponto no ar com a ponta do indicador disforme, coberto por uma unha chata. – Estou pronto a prometer que. ..como é que se diz? não serão feitas perguntas. -Pôs a mão sobre a escrivaninha de novo, ao lado da outra, e sorriu afavelmente por cima delas, para o detetive particular .
– Cinco mil é uma boa quantia de dinheiro – comen-tou Spade olhando pensativamente para Cairo. – É… -Ouviu-se uma batida leve na porta. Quando Spade ordenou – Entre – a porta abriu-se o suficiente para dar passagem à caSam Spadebeça e aos ombros de Effie Perine. Ela pusera um chapeu-zinho de feltro escuro e um casaco também escuro, com gola de pele cinzenta.
– Precisa de mais alguma coisa? -perguntou.
– Não. Boa noite. Tranque a porta quando sair, por favor.
– Boa noite – disse ela, e desapareceu atrás da porta que se fechou.
Spade voltou-se na cadeira para encarar Cairo de novo, dizendo: – É uma quantia interessante. – O ruído da porta do corredor, fechando-se atrás de Effie Perine, chegou até eles.
Cairo sorriu e tirou uma pistola preta, curta, chata e compacta, de dentro de um bolso interno. – Faça o favor – disse ele – junte as mãos sobre a nuca.

Principais personagens de O Falcão Maltês

Sam Spade – Detetive particular
Effie Perine – Secretária de Spade
Srta. Wonderly – Cliente de Spade
Miles Archer – Sócio de Spade
Tom Polhaus – Detetive– Sargento de polícia
Tenente Dundy – Tenente da polícia
Floyd Thursby – Criminoso
Iva – Mulher de Archer
Sid Wise – Advogado de Spade
Joel Cairo – O oriental, um dos pesquisadores do Falcão
Wilmer – Jovem capanga e guarda-costas de Gutman
Luke – Detetive de hotel
Casper Gutman – O homem gordo, principal pesquisador do Falcão
Bryan – Comissário distrital
Rhea Gutman – Filha do homem gordo


de O Falcão Maltês
Brasiliense, 1984

Relacionado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *