Claúdio Willer

Vulcão (fragmento)

0 Love this post.0
Vulcao

II

O grande círculo aproxima-se
e aí você não entenderá mais nada
sobrarão algumas perguntas para serem feitas
um certo desequilíbrio

verde verde verde
outro tempo
aproximadamente ontem/agora
fábulasexorcismo
antemanhã
fantasma de bronze
cantos perpétuos
sobrenadando a madrugada
então ninguém conseguirá entender mais nada
uma sortida temerária
libélulas
traços sem destino na curva dos dentes

Relacionado

Poética

1 então é isso quando achamos que vivemos estranhas experiências a vida como um filme passando ou faíscas saltando de um núcleo não propriamente a experiência amorosa porém aquilo que a precede e que é ar concretude carregada de tudo: a cidade refluindo para sua […]

Love this post.0

Visitantes 4

nosso espaço é o espaço do terrível o pântano varrido por ventos mornos atravessando os flautins de sargaços a noite definitiva e o grito congelado penetremos aos poucos neste jardim de negações onde a palavra pede mais espaço não há mais muita vida sobre a […]

Love this post.0

O Serpentário e suas Ramificações

A cidade e seu esqueleto múltiplo e inevitável, seus animais incendiados e turbilhões de fomes sem fim. Dentro dela, o grande estômago absorvendo todas as contemplações. Vitrais pulverizados envolvem os grandes prédios, a magia coloca-se ao alcance de todos sob forma de um corrimão que […]

Love this post.0

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *