Charles Bukowski

Fabulário Geral do Delírio Cotidiano

0 Love this post.0

A L&PM editores publicou o livro “Erections, Ejaculations, Exihibitions and General Tales of Ordinary Madness”, em dois volumes, sob o título geral de Ereções, Ejaculações e Exibicionismos (1984). O Vol.1 leva o título do filme que o italiano Marco Ferreri realizou baseado no texto de Bukowski: A Crônica do Amor Louco, cuja linha mestra é exatamente o primeiro conto do livro, A mais Linda Mulher da Cidade. O Vol.2 chama-se Fabulário Geral do Delírio Cotidiano. Os trechos abaixo são do Vol.2.

notas de um candidato a suicida

estou sentado perto da janela quando chega o caminhão do lixo. esvazíam as latas. escuto o barulho que faz a minha. lá vai ela: CRAXE TINQUEL CRAXE BLANQUE BLEM um dos lixeiros vira pro outro
– cara, quem mora aqui deve beber pra caralho!
ergo a garrafa e fico aguardando as novas conquistas dos vôos espaciais.


alguém me impinge um livro do Norman Mailer. intitula-se Cristãos e catúbais.porra, esse cara começa a escrever e não pára mais. sem a mínima força, sem um pingo de humor. não dá pra entender.só uma palavra atrás da outra, seja lá qual for, a que pintar. é isso que acontece com quem é famoso? imagina a sorte que a gente tem!


tem uma orquestra sinfônica lá na costa leste. o regente faz o maior sucesso tocando o que só posso classificar de Melodias pra Principiantes. esses trechos de música que agradam a quem é inexperiente em matéria de música clássica. mas se o sujeito tem um pingo de sensibilidade, não pode escutar essas peças mais do que 4 ou 5 vezes sem sentir náuseas. essa determinada orquestra vai besuntando aquilo semanas a fio e a platéia, formada na maior parte por pessoas de meia idade, (e não me perguntem de onde saíram ou porque são retardadas: é algo que me escapa por completo) depois de ouvir essas peças banais, básicas e bastante melosas, pensa de fato que está diante de algo novo, grandioso e profundo, e pula e grita “BRAVO! BRAVO!” exatamente como ouviu falar que é assim que se faz. o regente vem dos bastidores, agradece os aplausos uma porção de vezes e depois pede pra orquestra levantar. a única idéia que me ocorre é: será que ele sabe que está tapeando essa gente ou também é retardado mental?


algumas das peças que teria que incluir na escola de alfabetização musical e que esse regente gosta de tocar são: La Vie Parisíenne de Offenbach, o Bolero de Ravel, a abertura de La Gazza Ladra de Rossini, a Suite Quebra-Nozes de Tchaikowsky (cruz, credo, te esconjuro!), trechos da Carmen de Bizet, El Salon Mexico de Copland, a Dança do Tricórnio de De Falla, a Marcha Pompa e Circunstância de Elgar, a Rapsódia em Blue de Gershwin (cruz, credo, te esconjuro, pela segunda vez!) e várias outras que de momento não me vêm à lembrança…
mas é só deixar essa platéia em contato com essa verdadeira usína de açúcar pra logo ficar reduzida a um estado de imbecilidade digno de um bando de macacos.


velhote, de seus 52 anos, dono de 3 casas de móveis, sentindo-se inteligente:
– puxa vida, a gente tem que dar o braço a torcer pro …taí um cara que conhece música de fato! com ele a gente sente mesmo o negócio!
a mulher:
– pois é, sempre fico tão enlevada! falar nisso, vamos comer lá em casa ou no restaurante?

Relacionado

Carta de Charles Bukowski ao seu primeiro chefe

Ainda aos quarenta anos, Bukowski trabalhava nos correios durante o dia, escrevia para uma revista de Los Angeles chamada Open City no seu tempo livre e colaborava, junto a um amigo poeta, para uma revista literária. Em 1969, aos quarenta e nove anos, John Martin, […]

Love this post.0

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *