Chacal

Alguns Poemas de Chacal

0 Love this post.0

Ricardo de Carvalho Duarte (1951), conhecido como Chacal, poeta e letrista brasileiro. Nos anos 70, publicou livros artesanais que eram distribuídos manualmente, recurso próprio da chamada “geração mimeógrafo”. Sua poesia, de temática urbana, revela influências de Bandeira e Drummond e também da cultura pop, como a gíria carioca e as canções de rock. Chacal publicou os livros “Muito Prazer” (1971), “Preço da Passagem” (1972), “América” (1975), “Olhos Vermelhos” (1979), “Boca Roxa” (1979), “Drops de Abril” (1983) e “Comício de Tudo” (1986).

Ai de mim, aipim.

ai de mim, aipim.
ô inhame, a batata é uma puta barata.
deixa ela pro nabo nababo que baba de bobo.
transa uma com a cebola.
aquele hálito? que hábito! me faz chorar.
então procura uma cenoura.
coradinha, mas muito enrustida.
a abóbora tá aí mesmo.
como eu gosto de abóbora.
então namora uma.
falô. vou pegar meu gorrinho e sair poraí
pra procurar uma abóbora maneira
té mais, aimpim
té mais, inhame.

Ponto de bala

os mortos tecem considerações
os tortos cozem quietos
as crianças brincam
e bordam desconsiderações

Primeiro eu quero falar de amor

meu amor se esparrama na grama
Meu amor se esparrama na cama
meu amor se espreguiça
meu amor deita e rola no planeta.

20 anos recolhidos

chegou a hora de amar desesperadamente
apaixonadamente
descontroladamente
chegou a hora de mudar o estilo
de mudar o vestido
chegou atrasada como um trem atrasado
mas que chega

Papo de Índio

Veiu uns ômi di saia preta
cheiu di caixinha e pó branco
qui eles disserum qui chamava açucri
aí eles falarum e nós fechamu a cara
depois eles arrepitirum e nós fechamu o corpo
aí eles insistirum e nós comemu eles.

vocês repararam como o povo anda triste ?
é a cachaça que subiu de preço
a cachaça e outros gêneros de primeira
necessidade
cachaça a dois contos, ora veja,
veja a hora,
que horas são,
atenção
apontar:

FOGO!

Reclame

se o mundo não vai bem
a seus olhos, use lentes
… ou transforme o mundo.
ótica olho vivo
agradece a preferência

Na porta lá de casa

Na porta lá de casa
tem dizendo lar romi lar
uma bandeira de papel
na porta lá de casa
as crianças passam
e se atiram no chão
e se olham por dentro
das bocas das palavras
na falta de qualquer espelho
na porta lá de casa
passa o amor o calor
de cada um que passa
na porta lá de casa.

Prezado Cidadão

Colabore com a Lei
Colabore com a Light
mantenha luz própria.

Rápido e Rasteiro

Vai ter uma festa
que eu vou dançar
até o sapato pedir pra parar.

aí eu paro
tiro o sapato
e danço o resto da vida.

Verão

Revoada
cabeleiras cambalache
andarilha
na trilha do sol.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *