Edson Diniz

Desejo

0 Love this post.0
Cenário para Howl: memórias dos anos Waugh

Agora sim…
O cavalo sem graça desce do ar
balanceando a justiça com a cabeça,
três vezes contra a verdade.

3 2 3 desajeitado que é, pois é pégasus.
Trilha o som com casco
e se põe a voar galgando o ocaso
que nunca saberemos.

Estes seres que não indicam o destino
são a cópula da liberalidade,
mas não sabem sorrir.

Transmutado em homem, as vezes,
relincha dentuço
negando feito monge zen,
tudo menos sua própria beleza .

E sonhando eu te vejo
passeando pelo fantasma do fogo
a minha espera na terra com doce salíva.

E Eu que conheço os eqüinos
amanheço amargo .
Sei que no Ethos de seus pés,
nenhuma esperança vigia o que quero.

Relacionado

Plaza

Aos pares

Cinqüenta redondos pares de saciedade plena sonhavam o meu sonho de bobo de olhos olhando pra mim. Sonhe agora, dizia a pureza de Sade: pares de bundas, mulheres redondas facilitadas. Disposição de encomenda do puteiro de primeira classe de joelhos. Não é mais não é […]

Love this post.0
Plaza

Boca Quente

A boca fumegante na cabeça o demônio de fogo, no pescoço a medalha de sorte. No balde três gotas de amaciante, localizam o tempo, o restaurante e as três gotas de pimenta , sussuram os dentes, os peitos de azeitonas. Desbotada a fotografia inexistente. Corpo […]

Love this post.0
Secagem de sizal

Olhar de papel na mão

Mecanicamente Vaca de olhos ternos Raciocinava qualquer desmesura e dizia NÃO. Que obscuro complexo desejante se instalava nas feições da mulher vaca. Ficou só esta imagem mundana narrativa de romance de novela de conto. Vênus era assim? Sem sem substância Sem a figura de Eros? […]

Love this post.0

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *