Allan da Rosa

Sociologia

0 Love this post.0

Um homem comum
Intensamente mais um
Sabe que está sujeito
A provar o curare
Ter um laço no peito

O tal mero indivíduo
Todo aflição desmedida
Quando torto e sem leito
Desmente com a dor
A razão de um número estreito

Dessa fria sociologia
Genialidade vazia
Somas de dados direitos
Não decodificam
Um desamor perfeito

Relacionado

Kilimanjaro

Como encher a FEBEM ou Destilação

Desliga essa TV caralho Tô cansado Faz um ovo Também tô porra Me deixa ver a novela Acaba essa semana Depois vem outra diacho Vou quebrar essa merda E sua cara junto Covarde Diz amém pro teu chefe Perde em tudo Dominó, bilhar, palito Quer […]

Love this post.0
Mulheres

Safra

Rua Augusta Garoa esta tarde No eterno exercício cotidiano à espera do coletivo De todos os soldados dessa guerra xucra Apenas um imenso mendigo resignado e uma jovem paralítica Me concederam colher o vislumbre do sorriso Americanópolis De manhã Semi-nua A criança caiu Escorregou na […]

Love this post.0
Confissões de um homem decepcionado com a literatura

Há mil tons intensos

Há mil tons intensos Na miséria de meu olhar perdido Há mil sons sem senso Entre o chulo e o casto Nos mais belos poemas que já me esqueci Arrepios deixados para trás Pois no quintal o Sol é fustigante O banco mundial arma sua […]

Love this post.0

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *