Allan da Rosa

Poesia de segunda

0 Love this post.0

Pesa nos olhos de chumbo das cinco da manhã
Entra pela janela trazendo um alívio para o aperto
Escorre pelo suor desdentado
Correu com ele para não perder o bumba
Brilha na coxa da menina grávida
Opaca na sujeira da sua mini-saia
Cheira a nonsense na revista de fofocas da doméstica
Desenha o desprezo de praxe e passa por baixo
Flutua no grito do grupo da marmita
Atravessa a cidade – ainda é o primeiro dos cinco, seis dias
Solavanca nos buracos paridos em cada madruga
Vacila no cádaver adolescente exposto na avenida
Esterilizada
Nos saraus dos herdeiros
Horas atrás Comprada por cinquenta contos
Na livraria chique dos jardins
Esterilizada
Usurpada
Maquiada

Relacionado

Confissões de um homem decepcionado com a literatura

Há mil tons intensos

Há mil tons intensos Na miséria de meu olhar perdido Há mil sons sem senso Entre o chulo e o casto Nos mais belos poemas que já me esqueci Arrepios deixados para trás Pois no quintal o Sol é fustigante O banco mundial arma sua […]

Love this post.0

Ode a São Paulo

São Paulo Dos ratos gigantes vomitando cinza Sertão São Paulo Marginal, barraco no barranco Deslizes urbanos São Paulo paranóia no olhar Metrô e CBTU Latas de sardinha Lotação lotada, populacho em marcha Importado blindado Carrinho de mão atrás de papelão São Paulo samba forró e […]

Love this post.0
Mulheres

Safra

Rua Augusta Garoa esta tarde No eterno exercício cotidiano à espera do coletivo De todos os soldados dessa guerra xucra Apenas um imenso mendigo resignado e uma jovem paralítica Me concederam colher o vislumbre do sorriso Americanópolis De manhã Semi-nua A criança caiu Escorregou na […]

Love this post.0

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *