Allan da Rosa

Poesia de segunda

0 Love this post.0

Pesa nos olhos de chumbo das cinco da manhã
Entra pela janela trazendo um alívio para o aperto
Escorre pelo suor desdentado
Correu com ele para não perder o bumba
Brilha na coxa da menina grávida
Opaca na sujeira da sua mini-saia
Cheira a nonsense na revista de fofocas da doméstica
Desenha o desprezo de praxe e passa por baixo
Flutua no grito do grupo da marmita
Atravessa a cidade – ainda é o primeiro dos cinco, seis dias
Solavanca nos buracos paridos em cada madruga
Vacila no cádaver adolescente exposto na avenida
Esterilizada
Nos saraus dos herdeiros
Horas atrás Comprada por cinquenta contos
Na livraria chique dos jardins
Esterilizada
Usurpada
Maquiada

Relacionado

Kilimanjaro

Como encher a FEBEM ou Destilação

Desliga essa TV caralho Tô cansado Faz um ovo Também tô porra Me deixa ver a novela Acaba essa semana Depois vem outra diacho Vou quebrar essa merda E sua cara junto Covarde Diz amém pro teu chefe Perde em tudo Dominó, bilhar, palito Quer […]

Love this post.0
Confissões de um homem decepcionado com a literatura

Há mil tons intensos

Há mil tons intensos Na miséria de meu olhar perdido Há mil sons sem senso Entre o chulo e o casto Nos mais belos poemas que já me esqueci Arrepios deixados para trás Pois no quintal o Sol é fustigante O banco mundial arma sua […]

Love this post.0
Neal Cassady

Paz cruel de vinte e cinco

Essa porra de poesia Presente no estranho na dúvida no delírio no calor Essa porra de poesia soterrada deitada no corredor do hospital queimada na madrugada na sacola cheia de restos da feira no córrego onde nadam ratazanas Essa poesia sangrante Não se escreve na […]

Love this post.0

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *