Allan da Rosa

Paz cruel de vinte e cinco

0 Love this post.0
Neal Cassady
Essa porra de poesia 
Presente no estranho
              na dúvida
              no delírio
              no calor

Essa porra de poesia 
	      soterrada
                  deitada no corredor do hospital
                  queimada na madrugada
	       na sacola cheia de restos da feira
	       no córrego onde nadam ratazanas

Essa poesia sangrante
Não se escreve na escola
Porque lá tá sem lousa, giz, professor
Ela se bebe por menos que um real
Para o tio bater nos filhos sem pesar, sem pensar

Essa porra de poesia 
Não dá presente de natal			
Apesar de algumas luzes brilharem na viela
E surpreendentemente não serem balas que avoam
Nem isqueiros beijando latas de refrigerante

Relacionado

Sociologia

Um homem comum Intensamente mais um Sabe que está sujeito A provar o curare Ter um laço no peito O tal mero indivíduo Todo aflição desmedida Quando torto e sem leito Desmente com a dor A razão de um número estreito Dessa fria sociologia Genialidade […]

Love this post.0
Mulheres

Safra

Rua Augusta Garoa esta tarde No eterno exercício cotidiano à espera do coletivo De todos os soldados dessa guerra xucra Apenas um imenso mendigo resignado e uma jovem paralítica Me concederam colher o vislumbre do sorriso Americanópolis De manhã Semi-nua A criança caiu Escorregou na […]

Love this post.0

Poesia de segunda

Pesa nos olhos de chumbo das cinco da manhã Entra pela janela trazendo um alívio para o aperto Escorre pelo suor desdentado Correu com ele para não perder o bumba Brilha na coxa da menina grávida Opaca na sujeira da sua mini-saia Cheira a nonsense […]

Love this post.0

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *