Allan da Rosa

Há mil tons intensos

0 Love this post.0
Confissões de um homem decepcionado com a literatura

Há mil tons intensos
Na miséria de meu olhar perdido

Há mil sons sem senso
Entre o chulo e o casto
Nos mais belos poemas que já me esqueci

Arrepios deixados para trás
Pois no quintal o Sol é fustigante
O banco mundial arma sua tocaia
Surgem heróis mensais de um e noventa e nove
E moleques empunham metralhas

Relacionado

Ode a São Paulo

São Paulo Dos ratos gigantes vomitando cinza Sertão São Paulo Marginal, barraco no barranco Deslizes urbanos São Paulo paranóia no olhar Metrô e CBTU Latas de sardinha Lotação lotada, populacho em marcha Importado blindado Carrinho de mão atrás de papelão São Paulo samba forró e […]

Love this post.0

Poesia de segunda

Pesa nos olhos de chumbo das cinco da manhã Entra pela janela trazendo um alívio para o aperto Escorre pelo suor desdentado Correu com ele para não perder o bumba Brilha na coxa da menina grávida Opaca na sujeira da sua mini-saia Cheira a nonsense […]

Love this post.0
Mulheres

Safra

Rua Augusta Garoa esta tarde No eterno exercício cotidiano à espera do coletivo De todos os soldados dessa guerra xucra Apenas um imenso mendigo resignado e uma jovem paralítica Me concederam colher o vislumbre do sorriso Americanópolis De manhã Semi-nua A criança caiu Escorregou na […]

Love this post.0

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *