Allan da Rosa

Ode a São Paulo

0 Love this post.0

São Paulo
Dos ratos gigantes vomitando cinza
Sertão São Paulo
Marginal, barraco no barranco
Deslizes urbanos
São Paulo paranóia no olhar
Metrô e CBTU
Latas de sardinha
Lotação lotada, populacho em marcha
Importado blindado
Carrinho de mão atrás de papelão
São Paulo samba forró e poperô
Ritmo e poesia
São Paulo tua menina já tá fumando
Daqui a pouco engravida
São Paulo Jabaquara
Capital do feriado
Onde cai avião
e maloqueiro desce pelo ralo
São Paulo é pilantra, sangue ruim
Vala vermelha de casa sem reboco
Inconfundível noite púrpura
Pesada e traiçoeira
São Paulo centro fedido
Saco de cola e canivete aposentado
São Paulo do trouxa, do travesti e da treta
Das drogas pesadas:
Maluf, Sílvio Santos, Covas e Fleury
Caras, Veja, Contigo e MTV
Out-door, igreja e shopping-center

São Paulo conceitual
Do chaveco marchand
Artistas e seus pedestais:
Pretensa vanguarda estéril
São Paulo do dinheiro ostentado e miguelado
Do executivo, do gringo
Da mina gasolina
Motoboy, cabrito e pixação
São Paulo é o crime e não é o creme
Pra emburrecer e te cercar:
TV, AM e FM
São Paulo tem uma ilha na zona oeste
Onde negro não pode entrar
São Paulo me enoja e me fascina
SP da polícia assassina
São Paulo japonesa judia nordestina
São Paulo terra da chacina

Relacionado

Confissões de um homem decepcionado com a literatura

Há mil tons intensos

Há mil tons intensos Na miséria de meu olhar perdido Há mil sons sem senso Entre o chulo e o casto Nos mais belos poemas que já me esqueci Arrepios deixados para trás Pois no quintal o Sol é fustigante O banco mundial arma sua […]

Love this post.0
Kilimanjaro

Como encher a FEBEM ou Destilação

Desliga essa TV caralho Tô cansado Faz um ovo Também tô porra Me deixa ver a novela Acaba essa semana Depois vem outra diacho Vou quebrar essa merda E sua cara junto Covarde Diz amém pro teu chefe Perde em tudo Dominó, bilhar, palito Quer […]

Love this post.0
Neal Cassady

Paz cruel de vinte e cinco

Essa porra de poesia Presente no estranho na dúvida no delírio no calor Essa porra de poesia soterrada deitada no corredor do hospital queimada na madrugada na sacola cheia de restos da feira no córrego onde nadam ratazanas Essa poesia sangrante Não se escreve na […]

Love this post.0

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *