Allan da Rosa

Como encher a FEBEM ou Destilação

0 Love this post.0
Kilimanjaro
Desliga essa TV
             caralho
Tô cansado
Faz um ovo
            		Também tô
      porra		 		
            		Me deixa ver a novela
 		Acaba essa semana
Depois vem outra
	      diacho	 
Vou quebrar essa merda
E sua cara junto
			Covarde
			Diz amém pro teu chefe
			Perde em tudo 
			Dominó, bilhar, palito 
			Quer descontar em mim, é?
Tá desacreditando? 
	          Vaca
Então é agora

Na tela escura uma rachadura estrela reflete
mosaico os olhos vermelhos, contrariando os
vinte anos verdes da hora da janta. Após o 
estilhaço a mão feminina usou os talheres uma 
última vez para servir a carne de seu homem
Semana que vem outra novela
Amanhã um novo romance com fim premeditado
Em qualquer outra bocada

Relacionado

Poesia de segunda

Pesa nos olhos de chumbo das cinco da manhã Entra pela janela trazendo um alívio para o aperto Escorre pelo suor desdentado Correu com ele para não perder o bumba Brilha na coxa da menina grávida Opaca na sujeira da sua mini-saia Cheira a nonsense […]

Love this post.0
Mulheres

Safra

Rua Augusta Garoa esta tarde No eterno exercício cotidiano à espera do coletivo De todos os soldados dessa guerra xucra Apenas um imenso mendigo resignado e uma jovem paralítica Me concederam colher o vislumbre do sorriso Americanópolis De manhã Semi-nua A criança caiu Escorregou na […]

Love this post.0

Ode a São Paulo

São Paulo Dos ratos gigantes vomitando cinza Sertão São Paulo Marginal, barraco no barranco Deslizes urbanos São Paulo paranóia no olhar Metrô e CBTU Latas de sardinha Lotação lotada, populacho em marcha Importado blindado Carrinho de mão atrás de papelão São Paulo samba forró e […]

Love this post.0

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *