Rumo a Los Angeles

Rumo a Los Angeles

de Rumo a Los Angeles
Editora Brasiliense, 1989

É de manhã, hora de levantar, então levanta, Arturo, e vá procurar emprego. Saia e vá procurar o que você nunca vai encontrar. Você é ladrão, matador de caranguejos, amante de mulheres de quartinhos de vestir. Você nunca vai encontrar emprego!

Todas as manhãs eu levantava me sentindo desse jeito.Tenho que encontrar um emprego, puta que o pariu. Tomava café, punha um livro debaixo do braço, alguns lápis no bolso, e saía. Escada abaixo, rua afora, às vezes no frio, às vezes no calor, às vezes com neblina, às vezes dia claro, não importava. Com um livro debaixo do braço, procurando emprego.

Que emprego, Arturo? Ha, ha! Emprego pra você? Mas quem é você, rapaz? Matador de caranguejos. Ladrão. Você, que fica olhando mulher pelada no quartinho de vestir, você acha que vai arranjar emprego? Muito engraçado! Mas lá vai ele, o idiota, com um grosso livro debaixo do braço. Arturo, pra onde diabos você vai? Por que entrou nessa rua e não naquela? Por que vai indo para leste – por que não para oeste? Responde, ladrão! Quem vai te dar emprego, seu porco? Quem? Mas tem um parque do outro lado da cidade, Arturo. Chama-se Parque Banning. Com muitos eucaliptos e verdes gramados. Que belo lugar para ler! Vá até lá, Arturo. Leia Nietzsche. Leia Schopenhauer. Desfrute a companhia dos poderosos. Emprego? Fiii! Vá sentar debaixo de uma árvore e ler um livro enquanto procura emprego.

Mas algumas vezes fui mesmo procurar emprego. Tinha a mercearia. Fiquei um tempão parado na porta, olhando uma pilha de doces de amendoim na vitrine. Só então entrei.
– O gerente, por favor .
A moça:
– Tá lá embaixo.
Eu o conhecia; ele se chamava Tracey. Desci os degraus duros, me perguntando por que será que eram tão duros, e lá embaixo vi o sr. Tracey. Estava na frente do espelho, arrumando a gravata amarela. Boa pessoa, esse Tracey. Admirável bom gosto. Uma bela gravata, sapatos brancos, camisa azul. Um homem distinto; um privilégio trabalhar para alguém assim. Tinha um algo mais, um élan vital. Ah, Bergson! Outro grande escritor foi Bergson.,
– Olá, sr. Tracey.
– O que quer?
– Queria perguntar. ..
– Tem que preencher uma ficha. Mas não adianta, não temos vaga.

Subi os degraus duros. Curiosos degraus! Tão duros, tão precisos! Possivelmente um novo avanço na arquitetura das escadas. Ah, a humanidade! O que mais não vai inventar! Progresso. Acredito na realidade do Progresso. Aquele Tracey – aquele crápula, sórdido, filho da puta! Ele e sua ridícula gravata amarela, parado na frente do espelho feito um macaco. Canalha pequeno-burguês! Gravata amarela, olha só! Ah, mais ele não me engana. Eu sabia de umas coisinhas sobre aquele sujeito. Uma noite eu andava pelo porto quando o vi. Não falei nada, mas acho que era ele, sentado em seu carro, barrigudo que nem um porco, com uma garota do lado. Vi os dentões dele à luz da lua. Sentado ali com o seu barrigão, um boçal de trinta dólares por semana, burguês filho da puta, com o barrigão saltando fora da calça e uma mulher do lado, uma sirigaita, vadia, piranha, puta. Segurava as mãos da moça com os dedos gorduchos. Parecia ardoroso com aquele jeitão de porco, o gordão fIlho da puta, fedorento, nojento, um calhorda de trinta dólares por semana, com os dentões à espreita sob a luz da lua, a pança encostada no volante, os olhinhos gordos, sujos, acesos, cheios de imagens gordurentas de uma transa bem gorda. Ele não me enganava; nunca me enganaria. Poderia enganar aquela garota, mas não Arturo Bandini. Em circunstância alguma Arturo Bandini concordaria em trabalhar para aquele crápula. Algum dia haveria um ajuste de contas e ele poderia pedir e implorar, com a gravata amarela arrastando no pó, poderia rogar a Arturo Bandini, suplicar ao grande Arturo que aceitasse o emprego, e Arturo Bandini orgulhosamente lhe daria um chute na barriga e o veria se contorcer no pó. Ele vai me pagar, ele vai me pagar!

Fui até a fábrica da Ford. E por que não? A Ford precisa de homens. Bandini na Ford Motor Company. Uma semana num departamento, três semanas em outro, um mês em outro, seis meses em outro. Em dois anos seria diretor-geral da Divisão Oeste.

Quando cheguei à fábrica fiquei no meio dos outros. Eles se arrastavam feito um grosso coágulo diante de uma plataforma verde. Rostos duros, rostos frios. Apareceu um homem. Necas de trabalho por hoje, pessoal. Mas até que haveria um ou dois empregos se você soubesse pintar, se entendesse de transmissões, se tivesse experiência, se já tivesse trabalhado na fábrica de Detroit.

Mas trabalho para Arturo Bandini ali não havia. Saquei à primeira vista e não ia deixar eles me recusarem. Eu estava me divertindo. Aquele espetáculo, aquela cena de homens diante de uma plataforma, me divertia. Estou aqui por uma razão especial, sir: uma missão confidencial, se assim posso dizer , apenas verificando as condições para elaborar meu relatório. Fui enviado pelo presidente dos Estados Unidos da América, Franklin Delano Roosevelt. Foi ele quem me mandou. Frank e eu somos assim: unha e carne! Me conte como vão as coisas na costa do Pacífico, Arturo; me mande dados e estatísticas em primeira mão; me narre com suas próprias palavras o que pensam as massas neste país.

E assim eu era um espectador. A vida é um palco. Aqui há drama, Franklin, meu amigo, meu velho, meu camarada; aqui há drama nu e cru no coração dos homens. Informarei a Casa Branca imediatamente. Telegrama em código para Franklin. Frank: distúrbios na costa do Pacífico. Recomendo enviar vinte mil homens armados. População aterrorizada. Situação perigosa. Fábrica Ford em ruínas. Assumirei controle pessoalmente. Minha palavra aqui é lei. Seu velho companheiro, Arturo.

Não, não havia trabalho para Arturo Bandini. Saí de lá me sentindo melhor, contente que fosse assim. Voltei caminhando, desejando ter um avião, um milhão de dólares, desejando que as conchas do mar fossem diamantes. Vou para o parque. Ainda não sou carneiro. Ler Nietzsche. Ser um Super­Homem. Assim falou Zaratustra. Ah, esse Nietzsche! Não seja carneiro Bandini. Preserve a santidade da sua mente. Vá até o parque e leia o mestre debaixo dos eucaliptos.

Também pode querer ver isto …

Postar Comentário

Seu endereço de email não será publicado Required fields are marked *