Alguém estava enrabando o xerife… – Parte 2

Alguém estava enrabando o xerife… – Parte 2

Parte 2

Um dia as garotas – Carla, Tina e Magali – chegaram para o sarau acompanhadas de um casal. Era contra as regras trazer gente nova para o sarau, a não ser que se tratasse de grandes poetas. Mas o mundo está cheio de grandes-poetas-imortais-não-publicados. Carla fez as apresentações:
– Pessoal, esses são Hugo e Sílvia. Eles escrevem uns troços aí.
Hugo e Sílvia tinham sido instruídos pelas garotas a mostrarem imediatamente o que tinham trazido para o sarau. Na mesinha de centro eles depuseram duas garrafas de vodka, um tablete de maconha do tamanho de um maço de cigarros e vários papelotes de pó. De um jeito muito sério e cerimonial, Válter abriu um dos papelotes e provou o conteúdo com a ponta da língua; passou o papelote para o Mosca e ele fez o mesmo, e fizeram um gesto simultâneo de aprovação com a cabeça. Com isso, Hugo e Sílvia estavam aceitos no grupo.

Hugo era da espécie dos pleibas bonitinhos e bem arrumados, do tipo que se perfuma e usa uma bombinha de anti-séptico bucal. Olhos muitos azuis, boca feminina, usava um casaco de couro marrom e uma exarpe de seda verde em torno do pescoço branco. Cabelos louros e encaracolados cobriam a sua cabecinha de anjo.

Sílvia era uns dez centímetros mais alta que ele, media um e setenta e cinco, um pouco menos talvez, porque era difícil olhar de uma só vez para toda a extensão do seu corpo. Você era obrigado a se concentrar nas coxas grossas e bem torneadas, nas ancas largas, na bunda saliente e rígida, e tórax e braços, e peitos robustos e morenos, na mesma tonalidade do resto do corpo, com bicos do tipo “mama-nenem” irradiando ondas de tesão num raio de muitos quilômetros. Você não conseguiria desgrudar os olhos de tudo isso, mas nunca conseguiria encarar duas vezes aquele rosto. Era um rosto carregado de todos os anos da eternidade; flácido, repelente, escorrendo e ameaçando desprender-se a qualquer instante dos ossos da cara. Era como escavar o túmulo da sua avó e dar uma encarada na velha um ano depois de a terem jogado lá dentro. O conjunto, corpo e rosto, era trágico, trágico pra caralho.

Eu vi aquele corpo em ação naquela noite. Vi todo mundo ignorar o rosto e concentrar-se no resto. Eu tinha me apoderado de uma garrafa de vodka e fiquei ali bebendo no gargalo, sentado num sofá grande o suficiente para que duas das garotas ficassem ali se chupando e enfiando uma na outra os objetos mais estranhos. Ali, bem do meu lado.

O que ainda posso lembrar daquela noite é do Adolfo, com o seu capacete do exército alemão na cabeça, se masturbando com o seu inseparável taco de beisebol. E o que eu quero dizer com isso é que ELE REALMENTE TINHA ENFIADO AQUELE TROÇO NO RABO.

Lembro do Mosca enrabando o anjinho Hugo em cima da mesa no centro da sala e gritando um poema do Ginsberg que ele sabia de cor porque ele sempre recitava o mesmo poema do Ginsberg toda vez que estava enrabando outro cara. Ele dava duas ou três estocadas no anjinho Hugo e gritava um verso do poema.
– “América, eu te dei tudo e agora não sou nada”
E mais estocadas. Hugo gemia como um cabrito e só não gritava porque estava mordendo sua exarpe de seda verde.
– “América, eu não agüento mais a minha própria mente”

A vodka já esquentava as minhas orelhas e logo faria ferver o meu cérebro. Havia umas quinze pessoas divididas em grupos de dois, três, quatro… trepando como bestas humanas em diferentes cantos da sala. E havia um rodízio entre eles, de modo que a composição dos grupos estava sempre variando. Só o Mosca e o Hugo permaneciam isolados no centro da sala. O Mosca segurando o Hugo pelos quadris e metendo no rabo dele com violência e ritmo. Três estocadas, um verso.
– “América, quando acabaremos com a guerra humana?”

Eram as cenas de um espetáculo de horror girando como um carrossel na minha mente.
– “Vá se foder com sua bomba atômica”.
Rios caudalosos de sangue, sêmen e excremento turvando a minha visão e distorcendo tudo à minha frente.
“América, por que suas bibliotecas estão cheias de lágrimas?”

Havia uma floresta em chamas no meu estômago que lançava labaredas de fogo pela minha boca cada vez que eu empinava a garrafa e mandava mais um trago de vodka goela a dentro.
– “América, pare de me empurrar, sei o que estou fazendo”.
Eu já via arbustos secos rolando pelo chão de uma cidadezinha do velho oeste americano. Só que alguém estava enrabando o xerife e acho que era o reverendo.
-“Meu psicanalista acha que estou muito bem”

Eu via o inferno, acho que era o inferno, só podia ser o inferno, com bosta fumegante por todos os lados.
– “América, são eles, os russos malvados”.

Tomei mais um trago pelos russos.
– “América, tudo isso é muito sério”.
Olhei para o que restava do líquido na garrafa e me pareceu que era o meu cérebro, do tamanho de uma castanha, boiando ali dentro.
– “América, será que isso está certo?”

Senti alguma coisa estrebuchar dentro do meu estômago. Dobrei o corpo para frente, enfiei a cabeça entre os joelhos e o vômito quente jorrou entre os meus pés.
– “América…”
Ergui a cabeça e recostei-a no encosto do sofá.
– “América…”
O teto girava, o lugar inteiro oscilava como o navio do capitão Lobo Larsen, a “Besta do Apocalipse”, à deriva, em meio a uma tempestade infernal.
-“América…”

Antes de apagar completamente, talvez eu tenha tido forças para dizer: “Em algum lugar deste lado da América, deve haver um pouco de amor para mim…”

–“América…”

Também pode querer ver isto …

Postar Comentário

Seu endereço de email não será publicado Required fields are marked *