Há mil tons intensos

Há mil tons intensos

Há mil tons intensos
Na miséria de meu olhar perdido

Há mil sons sem senso
Entre o chulo e o casto
Nos mais belos poemas que já me esqueci

Arrepios deixados para trás
Pois no quintal o Sol é fustigante
O banco mundial arma sua tocaia
Surgem heróis mensais de um e noventa e nove
E moleques empunham metralhas

Respostas:0 / Compartilhar:

Também pode querer ver isto …

Postar Comentário

Seu endereço de email não será publicado Required fields are marked *